Tabela Price – Mitos e Paradigmas 3ª Edição Autor: José Jorge Meschiatti Nogueira


Por:
R$ 115,00

R$ 109,25 à vista com desconto Boleto Bancário
ou 3x de R$ 38,33 Sem juros
Ganhe mais 5% de desconto pagando no boleto
Simulador de Frete
- Calcular frete

Sinopse

A obra que o leitor tem à disposição é certamente um daqueles raros exemplos em que matérias de extrema complexidade e de domínio de poucos iniciados, são traduzidas em linguagem compreensível mesmo para pessoas não afeitas ao trato com a matemática financeira.
A novidade desta 3ª edição está em duas frentes: a primeira retira as dúvidas sobre o método Gauss com a publicação inédita das tabelas e fór-mulas elaboradas pelo escocês David Wilkie , enquanto a segunda traz vários comparativos internacionais de inadimplência, spread e taxas e demonstra a abusividade dos juros praticados no Brasil.
Complementam esta edição Acórdãos do STF,STJ e tribunais estaduais de todo país.

Sobre o Autor:
José Jorge Meschiatti Nogueira

Graduado em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e Mestre em Ciência da Informação pela mesma universidade.
Ex-Diretor do Curso de Ciências Econômicas e Coordenador da pós-graduação - MBA do grupo Anhanguera Educacional;Professor ;Palestrante e Debatedor em cursos especiais,seminários e congressos.
É Consultor de empresas;Perito financeiro e Parecerista ad hoc em matérias de Gestão de Negócios,Investimentos,Economia e Ciência da Informação.
As suas publicações, artigos e pareceres foram objetos de citações em mais de 100 acórdãos proferidos pelo STF,STJ e tribunais estaduais de todo país.

Publicações:
NOGUEIRA, J. J. M.; NOGUEIRA, M. B. P. A informação como elemento de reprodução
do capital no final do Século XX. Leituras de Economia Política
BOMBACH, L.; MARTINS C. E. B.; NOGUEIRA, J. J. M. Social Vulnerability Index
by family in Sorocaba, Brazil (Índice de Vulnerabilidade Social por família
em Sorocaba, SP, Brasil). In: II World Congress of Public Health Nutrition; I
Latin american Congress of Community Nutrition, 2010, Porto. Health Nutrition.
Londres: Cambridge University Press, 2010. v. 13. pp. 1-354.

http://lattes.cnpq.br/6964572341125694
e-mail: jorge.mnogueira@gmail.com

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características



    Primeira Parte
    Capitalização dos Juros

     

    Capítulo I – A Questão do Anatocismo na História

    1.      A Usura no Contexto da História Geral

    1.1.   Da Grécia Antiga a Roma

    1.2.   Da Idade Média a Shakespeare

    1.3.   Magistrato Supremo

    1.4.   Do Mercantilismo a Napoleão

    2.      A Questão da Usura no Brasil

    2.1.   Ordenações Manuelinas

    2.2.   Das Ordenações Filipinas a Getúlio Vargas

    3.      A Questão em 2012

    3.1.   Decisão Plenária da Liminar

     

    Capítulo II – Juro Composto é Anatocismo?

    1.      Anatocismo, Juro Composto e Juro sobre Juro – A Sinonímia dos Termos

    2.      Resgate do Quadro Histórico da Equivalência Terminológica entre Anatocismo,
             Juro Composto e Juro sobre Juro

     

    Capítulo III – As Diferenças Matemáticas entre Juro Composto e Juros Simples

    1.      O que é Matemática Financeira?

    2.      Quais os Tipos de Remuneração do Capital?

    3.      Juro Simples – Sob a Luz dos Fundamentos Teóricos da Matemática

    4.      Juro Composto – Fundamentos Teóricos

    5.      Comparação Gráfica entre os Fundamentos do Juro Composto e Juro Simples

     

    Capítulo IV – Tabela Price (Sistema Francês de Amortização)
    Sistema de Pagamento mais Usado em Empréstimos

    1.      Breve Biografia de Richard Price

     

    Capítulo V – Juro Composto – Termo Usado por Price para Explicar suas Tabelas

    1.      Teoremas Propostos por Price

    2.      Trecho das Traduções Juramentadas das Tabelas Anteriores – As Perguntas
             e Respostas de Price sobre Juro Composto

     

    Capítulo VI – Modelo de Difusão Utilizado por Price para Explicação de suas
    Tabelas de Juro Composto, e a Crítica de Marx

     

    Capítulo VII – Exemplo da Construção das Tabelas de Juro Composto, Desenvolvidas 
    por Richard Price, Objeto de Nosso Estudo (Tradução Juramentada)

    1.      A Obtenção do Resultado da Tabela I de Price pela Fórmula
             da Capitalização Composta de Juro – Explicações

    2.      A Obtenção do Resultado da Tabela II de Price  pela Fórmula
             da Capitalização Composta de Juro – Explicações

    3.      A Obtenção do Resultado da Tabela III de Price pela Fórmula
             da Capitalização Composta de Juro – Explicações

    4.      Obtenção do Resultado da Tabela IV de Price pela Fórmula
             da Capitalização Composta de Juro – Explicações

     

    Capítulo VIII – Evolução da Construção das Tabelas de Juro Composto até as Tabelas
    de Juro Composto (Tabela Price) Publicadas por Richard Price

    1.      Precursores das Tabelas de Juro Composto

    2.      A Linha do Tempo das Obras que Tratam de Tabelas de Juros
             Compostos em Anuidades

     

    Capítulo IX – Considerações sobre a Prova Documental do Anatocismo
    (Juro Composto) na Tabela Price

    1. Lacunas Finalizadas. E os Equívocos?

     

    Capítulo X – A Matemática – Perguntas e Respostas em Situações Cotidianas
    no Uso da Tabela Price

    1.      Justificativa

    2.      Observações Gerais da Natureza do Anatocismo na Tabela Price
             – Fundamentos Teóricos

    2.1.   Regra teórica da matemática

    3.      Teste de Hipótese Matemática na Tabela Price – Juro Simples ou Composto?

    4.      Questões Cotidianas à Luz da Teoria Matemática

    4.1. Demonstração por fórmula

    4.2. Demonstração com calculadora financeira HP 12-C

    5.      Comentários Gerais

    6.      Financiamento de Veículos – O Jogo do Valor Presente

     

    Capítulo XI – Perguntas sobre Casos do Sistema Financeiro
    da Habitação – Sfh e Minha Casa Minha Vida

    1.      Quantas Vezes um Mutuário Paga por um Empréstimo?

    2.      Como Visualizar a Cobrança de Juro Composto em uma Simples Planilha?

    3.      O Que é Amortização Negativa em uma Planilha do SFH?

    3.1.   Rendas e Dívidas Perpétuas

    4.      As Regras da PG Aplicadas na Tabela Price. A Hipótese de Dívida
             Perpétua mesmo sem Correção Monetária

     

    Capítulo XII – A Diferença de Resultado entre Juro Simples e Composto (Anatocismo).
    A Prova do Fluxo de Caixa  no Instante Focal

    1.      As Diferenças Entre Juro Simples e Juro Composto no Fluxo
             de Caixa – Outra Prova da Capitalização de Juro na Tabela Price

     

    Capítulo XIII – O Falso Paradigma da Tabela Price

    1.      A Quebra do Argumento de que a Tabela Price não Agrega Juro
             sobre Juro ou Juro
    Vencido e já Pago ao Saldo Devedor para Cálculo do Juro
             Mensal nas Planilhas Contábeis

     

    Capítulo XIV – Notas sobre Outros Sistemas de Amortização Usados
     no Brasil – SAC e Sacre

    1.      Sac – Sistema de Amortização Constante (Conhecido também como Sistema
             de Amortização Italiano). Breve Histórico

    2.      Sistema de Amortização Crescente – Sacre

     

    Capítulo XV – Considerações sobre a Tabela Price
    ou Sistema Francês de Amortização

     

    Segunda Parte
    Série Uniforme de Pagamentos em Juros Simples – Método Gauss

    Demonstrado na Publicação de David Wilkie de 1794.

     

    Capítulo XVI – Série Uniforme em Juros Simples ou Método Gauss
    Usado Desde o Século XVIII

    1.      Sobre as Notações das Variáveis Utilizadas por David Wilkie

    1.1.   Pmt – Parcela – Método Linear (Gauss) – Wilkie, 1794

    2.      Valor Presente – Método Linear (Gauss) – Wilkie, 1794. Fórmula Geral de Wilkie, p. 38

    2.1.   Fórmula geral

    3.      Valor Futuro (Vf) – Método Linear (Gauss) – Wilkie, 1794, p. 46

    4.      Taxa Interna de Retorno – Tir – Método Linear (Gauss) – Wilkie, 1794, p. 38.

    4.1.   Fórmula Geral de Wilkie, 1794, p. 38

    5.      Prazo – Método Linear (Gauss) – Wilkie, 1794, p. 38

    5.1.   Fórmula Geral de Wilkie, 1794, p. 38

    6.      Apuração do Saldo Devedor em Qualquer Instante Focal do Método Gauss por Equação

     

    Capítulo XVII – Evolução do Algoritmo do Método Gauss

    1.      Sistema de Prestação Constante a Juros Simples = Método de Gauss

     

    Capítulo XVIII – O Retorno Futuro de um Capital em Juro Simples em Série
    Uniforme de Pagamento (Método Gauss)

    1.      Prova da Perfeição – A Escrita Certa por Linhas Tortas

    2.      Comparando Mais uma Vez os Sistemas

     

    Capítulo XIX – Correção Monetária no Sistema de Amortização
    a Juro Simples – Método Gauss

    1.      O Uso do Método de Amortização a Juro Simples pelo Estado como Modelo
             de Benefício Colateral

     

    Capítulo XX – Equívocos Sobre o Método Gauss

    1.      Trabalhos Equivocados

     

    Capítulo XXI – Erros de Fundamentos Matemáticos – Usando Juros Compostos
    para Medir Juros Simples

     

    Capítulo XXII – Considerações sobre a Série Uniforme de Pagamentos
    em Juros Simples – Método Gauss

     

    Terceira Parte
    As Taxas e Spreads Mais Elevados do Mundo

     

    Capítulo XXIII – As Taxas de Juros Brasileiras são Abusivas?

     

    Capítulo XXIV – Somos Bons ou Maus Pagadores?

     

    Capítulo XXV – Carga Tributária Elevada ou Lucros Extraordinários?

    1.      Lucros Extraordinários

     

    Capítulo XXVI – Estrutura Oligopolizada – O Dragão de Cinco Cabeças

     

    Capítulo XXVII – O Argumento dos Bancos – A Lamúria do Dragão de Cinco Cabeças

     

    Capítulo XXVIII – O Caso Específico do Cheque Especial

    1.      Como Comprovar a Abusividade das Taxas e Juros

    2.      Caso Real

     

    Capítulo XXIX – Considerações Sobre a Terceira Parte

     

    Quarta Parte
    Repertório de Jurisprudência

     

    Capítulo XXX – A Jurisprudência Nacional

    1.      Sobre Abusividade e Onerosidade Excessiva – STJ

    2.      Sobre a Inconstitucionalidade do Artigo 5º da MP 2.170-36/2001

    3.      Superior Tribunal de Justiça – STJ - SFH

    4.      Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul – SFH

    5.      Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina

    6.      Tribunal de Justiça do Estado do Paraná – SFH

    7.      Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – SFH

    8.      Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais

    9.      Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte

    10.    Justiça Federal

    11.    Tribunal Regional Federal – 5ª Região

    12. Tribunal Regional Federal – 4ª Região

     

    Capítulo XXXI – O Juro Composto ou Anatocismo em Outros Países

    1.      Itália

    2.      EUA

    3.      Restrições em Outros Países

     

    Referências Bibliográficas

    Anexo I – Taxas de Inadimplência –Países – Série Histórica a Partir
    do Ano de 2000. Banco Mundial

    Anexo Ii – Taxas de Spread – Países – Série Histórica a Partir
    do Ano de 2002. Banco Mundial

    Anexo III – Taxas de Juros – Países – Série Histórica a Partir
    do Ano de 2000. Banco Mundial

    Anexo Iv – Tabelas e Fórmulas de David Wilkie, Publicadas em 1794 – Série
    Uniforme em Juros Simples Método Gauss

    Anexo V – Teoremas de Price

    Anexo VI – Traduções Juramentadas como Comprovação Documental
    do Juro Sobre Juro ou Anatocismo na Tabela Price