Datiloscopia e Revelação de Impressões Digitais Autor: Obra coletiva - Coordenador: Adriano Figini


Não disponível

Enviar
Avise-me quando estiver disponível
Ganhe mais 5% de desconto pagando no boleto

Sinopse

Datiloscopia e Revelação de Impressões Digitais de Adriano Figini, junta-se as demais publicações da série Tratado de Perícias Criminalísticas, organizada por Domingos Tocchetto que, fiel ao seu propósito de contribuir na formação dos peritos, mantém o mesmo escopo adotado nos demais títulos da coletânea.
O autor é Perito Criminal e conta com a colaboração de experientes profissionais que desenvolvem ao longo de quinze capítulos os fundamentos e técnicas essenciais para o exercício da profissão. A equilibrada distribuição do conteúdo permite ao leitor/perito uma completa e prática visão da Datiloscopia e Revelação de impressões digitais na difícil e complexa tarefa de investigar vestígios em local de crime.

Série Tratado de Perícias Criminalísticas – organizador: Domingos Tocchetto

Sobre o Autor:
Adriano Figini
Perito Criminal junto ao Departamento de Criminalística do Instituto Geral de Perícias desde 1986. 
Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Física pela mesma universidade.
Produção literária: É coautor do livro Identificação Humana (Millennium, 1993) e colaborador nos livros Criminalística – Procedimentos e Metodologias – 2ª Ed. (Espindula, 2009) e Ciências Forenses (Millennium, 2012). Autor de dezenas de artigos científicos publicados em jornais e revistas especializados.
Comunicação: adriano.figini@gmail.com 

COLABORADORES:
Bianca de Almeida Carvalho
Cássio Thyone de Almeida
Domingos Tocchetto
Edson Jorge Pacheco
Érica Amarante Rodrigues
Frederico Quadros D´Almeida
Gracinete Duarte da Costa
Henrique Hiroyuki Miyamoto
José Roberto Leitão e Silva 
Marcus Seferin
Marilyn Adriany Rondon Ferreira
Osvaldo Negrini Neto

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características



    Capítulo I - As Impressões Digitais ao Longo da História
    Adriano Roberto da Luz Figini e José Roberto Leitão e Silva
    A Identificação Humana na Pré-História
    As Impressões Digitais na História Antiga
    As Impressões Digitais na Idade Média
    As Impressões Digitais na Idade Moderna
    Marcello Malpighi
    Nehemiah Grew
    Godefridi Bidloo
    J. C. A. Meyer
    Thomas Bewick
    As Impressões Digitais na Idade Contemporânea
    Johannes Evangelist Purkinge
    Paul-Jean Coulier
    Mark Twain (Samuel L. Clemens)
    Sir William Herschell
    Haque & Bose
    Henry Faulds
    Sir Francis Galton
    Edward Richard Henry
    Juan Vucetich
    Outros Fatos Históricos
    As Impressões Digitais no Brasil
    Sites (ou endereços da web) visitados:

    Capítulo II - Criminalística, Impressões Digitais e o Local de Crime
    Adriano Roberto da Luz Figini, Cássio Thyone de Almeida Rosa, Domingos Tocchetto, Frederico Quadros D´Almeida e José Roberto Leitão e Silva
    O Conceito de Criminalística
    As Impressões Digitais e o Local de Crime
    A Perícia Criminal e as Impressões Digitais no Local de Crime
    Criminalística e Identificação
    Referências Bibliográficas
    Sites (ou endereços da web) visitados:

    Capítulo III - Datiloscopia e Papiloscopia
    Adriano Roberto da Luz Figini e José Roberto Leitão e Silva
    Conceito e Objetivos
    Princípios da Datiloscopia
    Perenidade
    Imutabilidade
    Variabilidade
    Classificabilidade
    Datiloscopia e Papiloscopia
    Quiroscopia
    Impressões Plantares
    A planta do pé e a raça
    O plantar e a dinâmica do crime
    Pegadas na terra
    O caminhar
    Ângulo do pé
    Tamanho da passada
    Necropapiloscopia
    Morte recente
    Cadáver mumificado
    Cadáver saponificado
    Afogamento
    Referências Bibliográficas

    Capítulo IV - O Sistema Datiloscópico de Juan Vucetich
    Adriano Roberto da Luz Figini e José Roberto Leitão e Silva
    O surgimento do sistema datiloscópico
    Características do Sistema Datiloscópico
    Classificação Datiloscópica Primária do Sistema Vucetich - os Tipos Fundamentais
    Delta
    Arco
    Presilha interna
    Presilha externa
    Verticilo
    Subclassificação Datiloscópica
    Arco
    Presilha Interna
    Presilha Externa
    Verticilo
    O Arquivo Monodatilar
    Referências Bibliográficas

    Capítulo V - A Identificação Humana por meio das impressões digitais e o confronto datiloscópico
    Adriano Roberto da Luz Figini, Gracinete Duarte da Costa, José Roberto Leitão e Silva e Marilyn Adrianny Rondon Ferreira
    Identidade e Identificação
    Identidade Humana e Identificação Humana
    O Sistema Antropométrico de Alphonse Bertillon
    A Individualidade das Impressões Digitais
    O Número Mínimo de Pontos Característicos e o Dogma dos 12 Pontos
    O Confronto de Impressões Papilares
    O Processo de Individualização do SWGFAST
    Método ACE-V
    Análise
    Comparação
    Avaliação
    Individualização
    Confronto negativo
    Sem condições de confronto (inconclusão)
    Verificação
    Individualização da INTERPOL
    Modelo Descritivo
    Modelo de Tomada de Decisões
    Método Integrador
    Fase de informação ou análise
    Fase de comparação
    Fase de avaliação ou balanço
    Fase de conclusão
    Fase de verificação
    A Correta Utilização do Nível de Detalhamento
    Demonstração de Assinalamentos na Individualização dos Exames de Confronto
    A Utilização de Software de Edição de Imagem no Assinalamento dos Pontos Característicos
    Referências Bibliográficas
    Sites (ou endereços da web) visitados

    Capítulo VI - Os Sistemas Automáticos (AFIS) e a Identificação Biométrica
    Adriano Roberto da Luz Figini e Edson Jorge Pacheco
    Biometria ou Identificação Biométrica
    Os Sistemas Biométricos
    Os Primórdios da Identidade Automática de Impressões Digitais
    Como funciona um sistema automático de identificação?
    Aquisição
    Processamento
    Busca
    Identificação Civil e Identificação Criminal
    Padrões Estabelecidos
    O que Deve Ser Feito
    Os Sistemas Existentes no Brasil

    Capítulo VII - A Formação e a composição das Impressões Digitais
    Adriano Roberto da Luz Figini e Érica Amarante Rodrigues
    Introdução
    A Pele Humana
    Epiderme
    Derme
    Hipoderme
    Embriologia da Pele
    As Estruturas Secretoras da Pele
    Glândulas Sebáceas
    Glândulas Sudoríparas
    Glândulas Apócrinas
    A Composição das Impressões Digitais
    Referências Bibliográficas
    Sites consultados

    Capítulo VIII - Técnicas básicas de revelação
    Adriano Roberto da Luz Figini, José Roberto Leitão e Silva e Marcus Seferin
    Considerações Iniciais
    Tipos de Impressões Digitais Encontradas e Fatores que Influenciam a Revelação
    Impressões visíveis
    Impressões plásticas ou modelares
    Impressões latentes
    As superfícies
    As condições da pele
    As condições do ambiente
    Onde e Como Procurar Impressões Digitais
    A Técnica do Pó
    A Escolha dos Pós
    A escolha dos pincéis
    Método de aplicação de pós
    Pós convencionais
    Pós magnéticos
    Os Ésteres de Cianoacrilato
    Ardrox
    O Nitrato de Prata
    O Revelador Físico
    O Reagente de Pequenas Partículas
    Nano Partículas e Partículas Nano Estruturadas
    A Violeta de Genciana
    O Preto de Amido (Amido Black)
    O Preto do Sudão (Sudan Black)
    Soluções de Eletrólitos
    O Dióxido de Enxofre Radioativo
    Ftalocianina de Cobre

    Capítulo IX - Técnicas de Decalque de Impressões Reveladas
    Henrique Hiroyuki Miyamoto
    Introdução
    Técnicas de Decalque de Impressões Reveladas
    Fitas adesivas para levantamento de impressões reveladas
    Técnica de decalque usando o rolo de fita
    Técnica de decalque usando um fragmento de fita
    Levantador Articulado
    Técnica de decalque usando levantador articulado
    Materiais de Moldagem
    Aspectos importantes sobre as superfícies irregulares
    Tipos de Materiais de Moldagem
    Técnica de decalque com material de moldagem
    Principais motivos de insucesso
    Considerações Finais
    Referências Bibliográficas

    Capítulo X - Fotografia Aplicada aos exames de impressões digitais
    Henrique Hiroyuki Miyamoto
    Introdução
    O Processo Fotográfico
    Tipos de Câmera Digital
    Câmeras fotográficas digitais ultracompactas e compactas
    Câmeras fotográficas digitais semiprofissionais
    Câmeras fotográficas digitais profissionais
    Conceitos importantes
    Foco e plano focal
    Profundidade de campo
    Diafragma e abertura
    Obturador e velocidade do obturador
    Valor de exposição
    Distância focal
    Modos de exposição
    Modos de fotografia
    Modos de cena
    Sensibilidade ISO, ASA, DIN e índice de exposição
    Granulação e ruído
    Objetiva ou lente fotográfica
    Objetiva normal
    Objetiva grande-angular
    Objetiva Telefoto
    Objetiva com Zoom
    Objetiva de Macro
    Fotografia Aplicada aos Exames Papiloscópicos
    Caracterizar local, veículo ou objeto
    Registrar a localização de impressão no local, veículo ou objeto
    Registrar a posição e relação de uma ou mais impressões na superfície e/ou entre si
    Registrar as minúcias de cada impressão encontrada
    Técnica da Macrofotografia
    A Câmera Fotográfica Digital Ideal
    Considerações Finais
    Referências Bibliográficas

    Capítulo XI - A Revelação de Impressões Digitais em Papel
    Adriano Roberto da Luz Figini e Marcus Seferin
    A Revelação de Impressões Digitais em Papel
    O Vapor de Iodo
    Método de vaporização manual
    Método da câmara de vapor
    Método do pó de iodo
    Método da solução de iodo
    A Ninidrina
    O Cloreto de Zinco
    Os Análogos da Ninidrina
    A Diazafluorenona
    Genipina e Lausona
    Papel Térmico
    Tratamento Térmico para Papel Convencional

    Capítulo XII - Análise Instrumental
    Adriano Roberto da Luz Figini e Osvaldo Negrini Neto
    A Contaminação das Impressões Digitais
    Revelação de Impressões Digitais Latentes por Laser
    A física do laser
    Montagem experimental
    A escolha dos filtros
    Comparação entre o LASER e as Fontes Convencionais (Lâmpadas)
    O Exame Fluorescente
    Recomendações Básicas
    Os Marcadores Moleculares
    As Técnicas de Resolução Temporal
    Reflexão Total por FT-IR
    Os Sistemas de Imagem Refletida Ultravioleta (Ruvis)
    Análise por Polarização e Reflexão Especular
    Impressões Digitais em Estojos Deflagrados
    Deposição Metálica em Vácuo
    MEV/RAMAN
    Microscópio Metalográfico
    Metalização a Vácuo de Amostras (sputter)
    Referências Bibliográficas

    Capítulo XIII - Em busca da datação das Impressões Digitais
    Osvaldo Negrini Neto
    A Questão da Datação das Impressões Digitais
    Degradações e Alterações
    Referências Bibliográficas 

    Capítulo XIV - Roteiros e Técnicas para Superfícies Especiais
    Adriano Roberto da Luz Figini
    Roteiros Gerais
    Superfícies Lisas e Não Porosas
    Superfícies Rugosas e Não Porosas
    Papel e Superfícies Porosas e Absorventes
    Embalagens Plásticas
    PVC, Borracha e Couro
    Dinheiro de Polímeros
    Fitas adesivas
    Superfícies Metálicas 
    Madeira Não Tratada
    Impressões Digitais Manchadas com Sangue
    Impressões Digitais na Pele
    Armazenamento e Transporte de Materiais

    Capítulo XV - DNA e Impressões Digitais
    Bianca de Almeida Carvalho
    O DNA e suas Características
    DNA nuclear 
    DNA mitocondrial
    Coleta dos Vestígios
    A Técnica de Pcr
    Amplificação de DNA Traço
    Pós PCR
    Considerações Finais
    Referências Bibliográficas